O PPGHIS conta com uma única Área de Concentração (Sociedade, Política e Cultura) e as seguintes Linhas de Pesquisa:

 

História Cultural, Memórias e Identidades

A Linha de Pesquisa "História Cultural, Memórias e Identidades" privilegia o estudo das representações e práticas culturais que atribuem sentidos e significados ao mundo. À luz de epistemologias críticas às metanarrativas históricas eurocêntricas, universalistas, racistas e sexistas, as pesquisas desenvolvidas nessa LP priorizam a desconstrução e a descolonização, de tal modo de ler e de dar a ler o mundo, de conferir inteligibilidade às experiências históricas. As abordagens produzidas nesse campo se abrem também à interdisciplinaridade, ampliando a compreensão da historicidade das representações e imaginários sociais produzidos e veiculados sob diversas linguagens em diferentes espaços e temporalidades, especialmente em narrativas orais, imagéticas, cinematográficas, midiáticas, musicais, literárias, virtuais, judiciais, historiográficas e didáticas. As pesquisas em desenvolvimento nesta linha contemplam os seguintes eixos temáticos: gênero e interseccionalidades; identidades diaspóricas e racismo; experiências, memórias e identidades em regimes de exceção; memória, patrimônio e cidade; discurso, poder e subjetivação; cultura histórica e historiografia; cultura escolar e ensino de história.

Orientadores: Anderson Ribeiro Oliva, André Cabral Honor, Camila da Silva Condilo, Cláudia Costa Brochado, Diva do Couto Gontijo Muniz, Eloísa Pereira Barroso, Mateus Gamba Torres, Susane Rodrigues de Oliveira.

 

História Social e suas múltiplas formas

As investigações reunidas no âmbito desta linha de pesquisa privilegiam as variadas possibilidades de desenvolver estudos inspirados na história social. Nesse sentido, a linha explora abordagens, metodologias e temas diversos voltados para o interesse comum de estudar práticas e experiências sociais coletivas e individuais. Dedica especial atenção aos modos e estratégias por meio das quais sujeitos históricos politizavam seu cotidiano, informados por racionalidades, práticas culturais e econômicas próprias, bem como enfrenta debates clássicos sobre agência histórica em relação, ou oposição, a estudos fundamentados em determinações contextuais e estruturais. Ao privilegiar trabalhos centrados na ação humana, em escalas de análise macro ou micro, enfatiza abordagens de conflitos sociais definidos por viés de classe, gênero, etnia ou raça.

Orientadores: Ana Flávia Magalhães Pinto, Bruno Leal Pastor de Carvalho, Jonas Wilson Pegoraro, José Inaldo Chaves, Luiz Paulo Ferreira Nogueról, Marcelo Balaban, Marcos Aurélio de Paula Pereira, Tiago Luís Gil.

 

Ideias, Historiografia e Teoria

Esta linha de pesquisa compreende investigadores que se dedicam ao estudo histórico de fenômenos associados à produção gráfica, à configuração material, à circulação e à recepção de ideias, bem como à análise das práticas, estruturas e espaços sociais a elas associados. Considerando-se esse escopo temático, a Linha de Pesquisa abriga pesquisas relacionadas às mais diferentes épocas e sociedades, favorecendo enfoques transculturais e interdisciplinares. No vasto campo dos fenômenos e práticas intelectuais, a Linha privilegia decisivamente aqueles de natureza historiográfica. "Historiografia" é aqui entendida não só como o conjunto das ideias, interpretações e textos produzido pelo grupo intelectual particular dos historiadores e historiadoras, mas também, em sentido amplo, como todo e qualquer produto intelectual em que se manifestem articulações interpretativas entre passado, presente e futuro. Dessa forma, o termo aponta para variados modos de conexão entre "campos de experiências" e "horizontes de expectativas" e para o âmbito abrangente da historicidade, um domínio que sabidamente não é exclusivo da disciplina histórica, sendo por esta compartilhado com as artes, a literatura, a filosofia e as demais ciências humanas. Nesse sentido, são favorecidas pesquisas referentes à história das diferentes tradições historiográficas, entendidas, mais uma vez, em sentido amplo.

Orientadores: André Gustavo de Melo Araújo, Arthur Oliveira Alfaix Assis, Daniel Barbosa Andrade de Faria, Daniel Gomes de Carvalho, Estevão Chaves de Rezende Martins, Luiz César de Sá.

 

Política, Instituições e Relações de Poder

A concepção de história política desta Linha de Pesquisa estende-se a diversas temporalidades e espaços, por meio dos discursos e do próprio exercício do poder.  No tocante à contemporaneidade, reconhece-se no Estado e nas instituições um objeto privilegiado de estudo, mas sem descurar a importância de outras instâncias de poder, que interagem com as formas estatais, tanto pela via da cooperação como pela concorrência, oposição e resistência. Nas dinâmicas do poder, consideram-se ainda a interferência das relações de gênero e das relações interpessoais. No que diz respeito às sociedades pré-contemporâneas, os integrantes da Linha de Pesquisa se debruçam sobre a pluralidade jurídica/política das formações históricas, sobre as múltiplas manifestações do poder e as configurações da autoridade pública, sobre o entrelaçamento entre a dimensões temporal e espiritual dos modelos políticos.

Orientadores: Carlos Eduardo Vidigal, Francisco Doratioto, José Luiz de Andrade Franco, Leandro Duarte Rust, Maria Filomena Pinto da Costa Coelho, Teresa Cristina Novaes Marques, Virgílio Caixeta Arraes.